Círculo de fundo bege e borda preta com um desenho de formiga verde

O que se passa no formigueiro?

Uma produção inédita do Quintal Garatuja

Sinopse:

Um formigueiro de saúvas cortadeiras passa por momentos de dificuldade: a terra está diferente, há mais seres vivendo naquele solo, as formigas saúva estão em perigo! Venha conhecer um pouco sobre a vida no formigueiro com esta aventura épica inspirada em um texto de Ana Primavesi. Uma história para ouvir, ver, ou ouvir e ver ao mesmo tempo.

Ficha técnica:

 

Concepção e realização

Pamella Villanova e Dudu Ferraz
 

Inspiração

"Rainha Maximilliana Atta", de Ana Primavesi
 

Intérprete de Libras

Karina Zonzini
 

Captação de imagens

Quintal Garatuja, Guilherme Cruz e Neader Eringuer

Um pouco mais:

Toda a concepção e produção da obra foi feita por Pamella Villanova e Dudu Ferraz, artistas do Quintal Garatuja de Campinas/SP, com inspiração em uma história de Ana Primavesi.

 

Acessibilidade

Nossa proposta é que a obra seja acessível para pessoas com deficiência visual e auditiva, desde sua concepção inicial. Assim, criamos uma forma de contar essa história considerando o som e a imagem como obras autônomas, quer dizer, que se possa ouvir, ver ou ouvir e ver ao mesmo tempo. Mais um passo no caminho de pensar a inclusão no fazer e distribuir arte.

 

As formigas

A história é uma adaptação de “Rainha Maximiliana Atta”, do livro “A convenção dos ventos” da mestra da agroecologia Ana Primavesi, publicado pela Editora Expressão Popular.

 

As formigas formam sociedades extremamente organizadas, em que cada uma cumpre um papel específico para a vida do formigueiro. É possível aprofundar mais sobre a vida no formigueiro de forma muito interessantes nos vídeos abaixo, que nos serviram de inspiração para criar nossas personagens e roteiro:

 

Zoológico de São Paulo:

youtube.com/watch?v=56MD7-RcJYw

(Educadoras e famílias, basta copiar este link e colocar em seu navegador, não está linkado aqui por questões de segurança das crianças internautas)

As saúvas – Uma sociedade de formigas (Pesquisa Fapesp):

youtube.com/watch?v=-DUHpqwqZZQ

(Educadoras e famílias, basta copiar este link e colocar em seu navegador, não está linkado aqui por questões de segurança das crianças internautas)

Agroecologia

A autora da história que nos inspirou a escrever o roteiro é Ana Primavesi, uma grande mestra da Agroecologia - que é, segundo ela, uma das 3 formas de agricultura que existem atualmente.

"Na Agroecologia, ecológico refere-se ao sistema natural de um lugar. Quer dizer: ao solo, a água, ao clima, todos seres vivos. Dos micróbios às plantas e até os animais que aqui habitam e suas inter-relações. Se trabalhamos conforme o meio ambiente e suas leis, alterando-as  o mínimo possível, aproveitamos do potencial natural do solo neste ambiente. (...) Na natureza não existe nenhum fator isolado, tudo e todos são interligados e trabalhar ecologicamente é trabalhar com esta teia de vida." (fonte: site da autora)

Para acessar livros, desenhos, biografia e muito mais dessa grande mestra, acesse:

anamariaprimavesi.com.br

(Educadoras e famílias, basta copiar este link e colocar em seu navegador, não está linkado aqui por questões de segurança das crianças internautas)

O ponto de vista da praga

As formigas cortadeiras são uma grande ameaça à agricultura, porque em pouco tempo conseguem ceifar um pasto inteiro ou uma plantação inteira! Com a inspiração e base científica de Primavesi, decidimos contar essa história do ponto de vista da praga, quer dizer, imaginar como seria o momento em que as cortadeiras decidem partir. Quais estratégias, além de venenos, podem proteger os campos das pragas?

São estratégias da agricultura agroecológica que nutrem o solo, em contraposição à monocultura que elimina a diversidade. Por isso, agora as formigas não estão mais sozinhas com as plantas naquele solo. A diversidade é benéfica para a produção de alimentos, pois mantém a saúde da terra e afasta as pragas.

Para saber mais, sugerimos conhecer a história "Rainha Maximiliana Atta" do livro "A convenção dos ventos".

Como fizemos esse vídeo?

Somos artistas interdisciplinares, com paixão por teatro, música e contação de histórias. Desde que a pandemia impossibilitou que frequentássemos as escolas, passamos a produzir daqui do nosso quintal, obras audiovisuais com os recursos disponíveis.

Todas as imagens foram gravadas ao redor do Quintal Garatuja, entre os bairros Jardim Nova Europa e Parque Jambeiro, em Campinas/SP.

A trilha sonora é de criação totalmente nossa, original, gravada e finalizada por nós. Assim como a edição, o roteiro, o figurino, a captação de som e imagens (para esta última contamos também com a ajuda de amigos).

Uma curiosidade sobre nosso figurino de bumbum de formiga, é que ele tem mais de 20 anos! Foi produzido para uma peça escolar no final dos anos 1990 e continua sendo formiga até hoje. Nossa forma de produção procura sempre reutilizar materiais disponíveis, reduzindo ao máximo a geração de lixo como impulso criativo para ressignificar matérias. Assim também procuramos trabalhar com os cenários disponíveis em nosso quintal.

Esperamos que gostem do material, foi produzido com muito cuidado e amor para crianças, famílias e educadoras!

Quintal Garatuja

Quintal Garatuja é um Ponto de Cultura, um espaço de criação e fruição de arte e cultura. Aqui desenvolvemos atividades indisciplinares, que transbordam as fronteiras das disciplinas. Espetáculos teatrais, shows musicais, feiras culturais, convites para brincar, oficinas, cursos, saraus, shows de variedades, sala de ensaio e atualmente estúdio de gravação, edição e transmissão de conteúdos audiovisuais! Trabalhamos com crianças de zero a cem anos. A gestão do espaço é feita por integrantes do Coletivo Passarinha, cultivando relação profunda com o território de seu entorno, no Jd Nova Europa em Campinas/SP. 

 

Pamella Villanova é doutoranda em Artes da Cena pela Unicamp, pesquisa teatro interdisciplinar, no cruzamento com outras disciplinas e formas de conhecimento, interessda em desenvolver projetos de arte educação ambiental. É arte educadora com catorze anos de experiência em diversos contextos de aprendizagem. Atualmente atua como artista em parceria com escolas da rede pública e privada. É diretora artística do Coletivo Passarinha e gestora do Ponto de Cultura Quintal Garatuja.  

 

Dudu Ferraz, artista interdisciplinar e produtor cultural. Gestor do Ponto de Cultura Terraço Garatuja e integrante do Coletivo Interdisciplinar Passarinha onde desenvolve trabalhos artísticos voltados para primeira infância e educação ambiental. Integrante do Grupo Matula Teatro no qual trabalha como produtor cultural e compositor de trilha sonora. Atualmente integra o núcleo gestor do Feverestival - Festival Internacional de Teatro de Campinas. Em 2018 lançou o álbum “Terra de Ninguém” com o Coletivo de Compositores D’Aldeia.

Endereços virtuais:

INSTAGRAM - @quintalgaratuja

INSTAGRAM - @pam.villanova

INSTAGRAM - @dudu.ferraz_

Retângulo de fundo preto e borda vermelha com uma mulher branca e cabelo curto preto e um homem pardo de cabelo curto enrolado e escurto. Ambes escondidos atrás de um tecido branco com fitas coloridas. Estão de olhos arregalados olhando para a frente.

Crédito foto: Mauro Machado